quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Rainhas do Drama por Márcia

Amigas, leiam esse texto...combina exatamente comigo quando tenho minhas crises de ansiedade

Há algum tempo recebi um e-mail do “Diário dele e dela”. É hilário, muito engraçado.  É a mais perfeita descrição de como nós, mulheres, somos capazes de sofrer baseadas apenas na nossa fértil imaginação. Para quem não conhece o e-mail, eis um resumo:
“O diário dela:
No Sábado à noite ele estava estranho. (…)Fomos a um restaurante e ele AINDA agindo de modo estranho. (…)Perguntei,e ele disse que não era eu. Mas não fiquei muito convencida. (…) Finalmente chegamos a casa e eu já estava pensando se ele me iria deixar! Por isso tentei fazê-lo falar, mas ele ligou a televisão, e sentou-se com um olhar distante que parecia estar me dizendo que estava tudo acabado entre nós. (…).Mais ou menos 10 minutos ele foi se deitar também e para minha surpresa, correspondeu aos meus avanços e fizemos amor. Mas ainda parecia muito distraído, e depois quis confronta-lo e falar sobre isso, mas comecei a chorar e chorei até adormecer. Já não sei o que fazer. Tenho quase a certeza que ele tem alguém e que a minha vida é um autêntico desastre.
O Diário dele:
Time de merda! Perdeu mais uma vez. Pelo menos dei umazinha.”
 Porque será que temos essa tendência ao drama? Essa mania de ficar procurando “pêlo em ovo”??? Já li em muitas revistas, matérias e mais matérias sobre como saber se ele ainda nos ama… ou testes, enfim, muitas ferramentas, que alimentam ainda mais nossa tendência ao sofrimento antecipado.
O Mário viaja bastante a trabalho. O seu passado o condena. Minha mãe, que foi vítima de traição (assunto para outro post), sempre me pergunta se eu não fico preocupada se ele está me traindo ou não. Sinceramente, não se trata de auto confiança, mas de auto preservação, mas eu não fico preocupada com isso. Procuro não dar ouvidos a minha mente fértil, porque podemos criar tensões e desgastes desnecessários à relação, que já é suficientemente bombardeada pela rotina e pelo tempo.
Vigiar, conferir telefonemas, gastos, roupas, ficar ligando para saber o que está fazendo… enfim, ficar na cola do cidadão, só o incentiva a cometer o crime, porque assim fica mais emocionante. Inclusive, se a “aporrinhação” já existe, melhor que tenha fundamento!
Se não bastasse nossa própria capacidade de inventar “chifre em cabeça de cavalo” e na nossa também, ainda somos pressionadas pela imaginação das amigas, que dão corda para nossa neura.
A saída para desfazer essa ilusão toda é relaxar! Na maioria das vezes, a história é exatamente como a descrita no e-mail. Quando não for, acredite na máxima “Mentira tem perna curta”, pois homem nenhum consegue disfarçar por muito tempo suas mancadas. E ao descobrir-las, caberá a você analisar a gravidade da mancada e dar o castigo merecido. Aí sim é chegado o momento de lamentar, sofrer, chorar, se descabelar, comer mil bombons, ouvir música sertaneja e assistir todos os filmes românticos da tv.  Mas, por favor! Só chegue a esse ponto, quando você já tiver comprovação física e científica do problema, não vá se descabelar à toa, ok?!
E vcs, também são assim?
Bjos mta paz e luz

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom o post. Parece piada, mas não é. A gente acha que é o centro das atenções dele, mas não é. E, pra falar a verdade, ainda bem, não é mesmo? rs

clau disse...

Gostei muito deste post, e vou dar uma olhada em tudo, mas já virei seguidora, sinto que nós mulheres, somos mais profundas, mesmo que ansiosas, pensamos mais além, e os homens se aborrecem por qualquer bobagem, mas é assim mesmo, nada que um bom terapeuta não faça por nós, bjks